Destaques Notícias — 09 agosto 2018
Enquanto motoristas cobram PCCR, Ônibus de transporte escolar circula com portas amarradas com arame em Cachoeira dos Índios.

Dezenas de motoristas da prefeitura de Cachoeira dos Índios no sertão paraibano aguardam ansiosos que o prefeito Alan Seixas (PSB), cumpra uma das muitas promessas no pleito eleitoral para com este setor, o “PCCR” dos profissionais do volante, compromisso que o prefeito tem dado pouca atenção ao tema que continua na gaveta do esquecimento.

O Plano de Cargos e Carreira e Remuneração da categoria têm sido cobrado com muita veemência e na sessão da próxima quarta-feira, alguns profissionais do volante que arriscam suas vidas em veículos que quebram com frequência, hora, por falta de manutenção, ou pela péssima qualidade na maioria das rotas rurais, esperam dos vereadores uma cobrança mais acentuada, em especial da bancada de oposição, visto que os parlamentares ligados ao prefeito, tem se mostrados omissos quando, poderiam pela proximidade com a gestão municipal, agilizar o pleito, mas ao contrário.

Alguns motoristas relatam que o sindicato tem se comportado de forma “anêmica” e em “berço esplêndido” esperado a boa vontade da gestão. “Se fosse uma causa, por exemplo, dos professores, certamente a pressão seria maior, as aulas seriam logo paralisadas. Não vemos o mesmo empenho em torno de nossa causa.”, disse um motorista que por medo de represália por parte do governo municipal, não quis se identificar.

De fato, não faltam relatos da falta de conservação na frota, ontem dia 08 um taxista, preocupado com segurança dos passageiros, postou uma foto onde a porta de um ônibus trafega amarrada com arame, oferecendo risco principalmente se nele, for feito o transporte de crianças.

Apesar de não ser dito, qual a rota desse veículo, o caso precisa de uma resolução.

O espaço está aberto, para a explicação.

Redação: Jotha Herre

Aconteceu tá no Folha

 

Artigos relacionados

Compartilhe

About Author

admin

(0) Ler respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*